“O governo de Bolsonaro tem sangue indígena nas suas mãos, o aumento da violência nos territórios indígenas é reflexo direto do seu discurso de ódio e medidas contra os povos indígenas do Brasil.” Com estas palavras duras, a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) acusa o Governo brasileiro de ter também culpas no assassinato do giardião indígena Paulo Paulino Guajajara. Este líder indígena, pertencente ao grupo “Guardiões da Floresta”, terá sido vítima de uma emboscada de madeireiros dentro do seu próprio território.

A nota da APIB, que pretende também manifestar solidariedade com o povo Guajajara,  destaca que desde que Jair Bolsonaro assumiu a Presidência do Brasil, a negligência que tem demonstrado em relação à Amazónia permitiu que grupos de madeireiros e mineiros invadam ilegalmente as terras indígenas. “As nossas terras estão a ser invadidas, os nossos líderes estão a ser assassinados, atacados e criminalizados e o Estado Brasileiro está a deixar-nos abandonados à nossa sorte, com a retirada de políticas ambientais e de defesa dos direitos dos povos indígenas”, refere o texto da APIB, citado pela Unissinos.
[Publicado em 7Margens]