Sudão: Acordo de Paz entre governo e grupos armados marca “início de uma nova era”

Immagine

Sexta-feira, 9 de Outubro de 2020
A Frente Revolucionária Sudanesa e as autoridades de Cartum assinaram um acordo de paz para as regiões do Darfur, Nilo Azul e Cordofão do Sul, onde se registavam conflitos armados há já 17 anos. A União Europeia e a União Africana manifestaram o seu apoio ao acordo e consideram estar perante “um evento histórico”, enquanto os Estados Unidos estão prontos para retirar o Sudão da lista de 
países que apoiam o terrorismo.

O acordo, ratificado na capital do Sudão do Sul, Juba, tem como objetivo resolver os conflitos naquelas regiões e unificar e pacificar as diferentes etnias presentes no país. A assinatura oficial aconteceu no passado dia 3 de outubro, sábado, após longas negociações, iniciadas em agosto, entre as autoridades de transição e a Frente Revolucionária Sudanesa, uma coligação dos principais grupos armados do país, explica o Vatican News.

Para as autoridades de Cartum, que integram militares e civis na sequência da revolta popular que pôs fim à ditadura de 30 anos de Omar al-Bashir, em abril de 2019, a paz com os rebeldes era assumidamente uma prioridade. Chade, Qatar, Egito, União Africana, União Europeia e Nações Unidas também assinaram, como garantes do acordo. O Alto Representante da UE, Josep Borrell, falou de um “dia histórico” e o secretário-geral da ONU, António Guterres, sublinhou igualmente o significado do evento, dizendo tratar-se do “início de uma nova era”.

Segundo dados da ONU, desde 2003, o conflito no Darfur esteve na origem de pelo menos 300.000 mortes e 2,5 milhões de pessoas deslocadas.
[7Margens]