Moçambique: Bispo de Pemba conversa online sobre a crise humanitária em Cabo Delgado

Immagine

Sábado, 12 de Dezembro de 2020
O bispo de Pemba vai conversar sobre a atual crise humanitária que “está a afetar milhares de pessoas” na Província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique”, numa iniciativa online de sete organizações católicas portuguesas, pelas 21h00 de 15 de dezembro. “Esta conversa pretende dar voz e alertar organizações e cidadãos para a realidade desta crise humanitária que, associada à violência crescente, põe em causa a paz e os direitos humanos”, informa um comunicado enviado hoje à Agência ECCLESIA.

As organizações católicas contextualizam que a província moçambicana de Cabo Delgado “está sob ataque de insurgentes com ligações ao grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico”, há cerca de três anos, e a violência crescente “já provocou mais de 2000 mortes e 560.000 pessoas deslocadas”.

A conversa online com o bispo de Pemba, D. Fernando Luiz Lisboa, no dia 15 de dezembro, pelas 21h00 de Lisboa, pode ser acompanhada em direto na plataforma Zoom e na rede social Facebook, numa iniciativa do Centro Missionário Arquidiocesano de Braga, da Cáritas Portuguesa, da Comissão Nacional Justiça e Paz, da FEC – Fundação Fé e Cooperação, da FGS – Fundação Gonçalo da Silveira e do Ponto SJ, dos Jesuítas em Portugal, e da organização Rosto Solidário, da Congregação Passionista.

O bispo de Pemba informou, esta semana, que o Papa Francisco enviou um donativo de 100 mil euros à diocese e vão ser “construídos dois centros de saúde”: “Um em Chiúre, o distrito mais populoso de Cabo Delgado, e outro em Montepuez, no sudoeste da província, longe dos ataques dos rebeldes e um dos locais seguros para onde os deslocados internos tentam escapa”.

Segundo o comunicado das organizações católicas portuguesas, o Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas anunciou, em novembro, a “redução da ajuda alimentar aos deslocados, por falta de orçamento, tornando ainda mais urgente o apoio da comunidade internacional”, quando “mais de meio milhão de pessoas se encontram sem habitação ou acesso a alimentos”.
[CB - Ecclesia]

Donativo do Papa Francisco
ajuda a construir dois novos centros de saúde

Bispo de Pemba aponta que o «mundo inteiro deve ser responsável» pela crise em Cabo Delgado

O bispo de Pemba, em Moçambique, informou que o Papa Francisco enviou um donativo de 100 mil euros à diocese, com o qual vão ser “construídos dois centros de saúde” e aponta que o “mundo inteiro deve ser responsável” por esta crise. “Existem dois centros de saúde, um em Chiúre, o distrito mais populoso de Cabo Delgado, e outro em Montepuez, no sudoeste da província, longe dos ataques dos rebeldes e um dos locais seguros para onde os deslocados internos tentam escapar”, explicou D. Luiz Fernando Lisboa, ao agradecer ao Papa Francisco a sua oferta.

A decisão da construção de dois centros de saúde, com a ajuda do Papa, foi “tomada após consulta aos responsáveis ​​pela assistência aos deslocados”, refere o responsável católico, em declarações divulgadas pelo portal ‘Vatican News’. O bispo de Pemba destaca que, para as “famílias que fogem da guerra, metade delas crianças, os cuidados de saúde estão entre as principais necessidades”, depois de “terem perdido tudo”.

“Dentro de dois a três meses os dois centros deverão começar a atender os deslocados”, apontou. D. Fernando Luiz Lisboa destaca a intervenção do Papa, que tem “permitido manter viva a atenção internacional” sobre a província moçambicana também numa perspetiva de futuro. “Se a guerra acabasse hoje, ainda seriam necessários vários anos para reconstruir o tecido social da província”, sublinha.

A região do norte de Moçambique é assolada por uma insurreição liderada por um grupo que se autoproclamou filiado ao Estado Islâmico, o que resultou na morte de mais de 2300 pessoas e no deslocamento de pelo menos 600 mil habitantes, desde 2017. “Depois que o Papa começou a falar sobre Cabo Delgado houve uma maior atenção por parte de muitos grupos, organizações e até de diferentes países. Creio que a sua figura, forte, tenha dado uma contribuição para tornar esta crise não só nossa, dos habitantes de Cabo Delgado, mas uma crise pela qual o mundo inteiro deve ser responsável”, aponta o bispo de Pemba.
[SN - Ecclesia]