Tráfico de Pessoas: Religiosas querem sensibilizar jovens e apontam à JMJ 2023

Immagine

Quarta-feira, 16 de Novembro de 2022
A irmã Gabriela Bottani (na foto) que liderou durante os últimos sete anos a ‘Talitha Kum’, rede internacional da vida consagrada contra o tráfico de seres humanos, quer mobilizar os jovens neste campo e aponta à JMJ 2023, em Lisboa. “Estamos a envolver jovens de diferentes culturas e realidades, que vão lançar em Roma um ano totalmente dedicado à luta contra o tráfico, para criar um movimento de transformação”, informou a Ir. Gabriela. [
Ecclesia]

“Estamos a envolver jovens de diferentes culturas e realidades, que vão lançar em Roma um ano totalmente dedicado à luta contra o tráfico, para criar um movimento de transformação”, adiantou a responsável no encontro da RENATE – Rede Europeia de Religiosas contra o Tráfico e Exploração, que decorre em Fátima até quinta-feira.

A religiosa lembra que a maioria das vítimas são jovens e que são estes quem melhor pode falar às pessoas da sua idade, apontando o “sonho” de trazer o tema para a reflexão dos participantes na JMJ Lisboa 2023, com a colaboração das estruturas nacionais. Com o olhar na JMJ Lisboa 2023 acontece já no próximo fim de semana a jornada diocesana da juventude, numa antecipação “empolgante” do grande encontro em agosto, mas agora vivido a nível local. “É importante viver a nível diocesano o Dia Mundial da Juventude, é um ano especial, e a primeira vez a JMJ que se realiza em Portugal”, disse o padre Filipe Diniz.

A preparação para a JMJ do próximo ano, na capital portuguesa, tem contado com “várias iniciativas para tornar a comunicação cada vez mais inclusiva, como a interpretação em Língua Gestual Portuguesa dos conteúdos produzidos”, explica o Comité Organizador Local (COL), frisando que “um dos grandes objetivos é que grande parte dos momentos que dela fazem parte possam ser preparados e vividos por todas as pessoas de igual forma”.

“Acolher a deficiência na JMJ Lisboa 2023 é acolher a deficiência no concreto das nossas vidas, na organização da Jornada e na revitalização da Igreja portuguesa, desde já”.
[
Lígia Silveira - Ecclesia]