Terça-feira, 28 de Março de 2017
A rogatória diocesana para a causa de Beatificação ou declaração de Martírio do servo de Deus P. Ezechiele Ramin, missionário comboniano, assassinado em 24 de Julho de 1985, em Cacoal (Rondónia-Brasil), foi concluída no passado sábado, dia 25 de Março, na paróquia de São José, na cidade italiana de Pádua. A celebração foi presidida por D. Claudio Cipolla, bispo da diocese de Pádua e presidente do Tribunal constituído para a Rogatória. O evento mobilizou toda a paróquia que quis estar presenta neste acto conclusivo do processo diocesano. Usaram da palavra na ocasião o P. Jeremias dos Santos Martins, representante do superior geral dos missionários combonianos, e o P. Giovanni Munari, superior provincial dos missionários combonianos na Itália.


Padre “Lele” Ramin, comboniano de Pádua,
foi assassinado no dia 24 de Julho de 1985
em Cacoal, Rondónia.

A rogatória diocesana para a causa de Beatificação ou declaração de Martírio do servo de Deus P. Ezechiele Ramin, missionário comboniano, assassinado em 24 de Julho de 1985, em Cacoal (Rondónia-Brasil), foi concluída no passado sábado, dia 25 de Março, na paróquia de São José, na cidade italiana de Pádua. A celebração foi presidida por D. Claudio Cipolla, bispo da diocese de Pádua e presidente do Tribunal constituído para a Rogatória. O evento mobilizou toda a paróquia que quis estar presenta neste acto conclusivo do processo diocesano.

A rogatória havia sido aberta oficialmente no dia 10 de Abril de 2016, também em Pádua, após o início da investigação da Diocese de Ji-Paraná sobre a fama de santidade, corroborada pela indicação de “super martyrio”, ou seja, que demonstra a consciência de que o religioso morreu na “defesa da própria fé, da paz e da justiça”.

A fase diocesana do processo de beatificação do “Servo de Deus” Padre Ezechiele Ramin – já proclamado “Mártir da Caridade” pelo Papa João Paulo II – começou, com a primeira sessão pública no dia 10 de Abril de 2016, na cidade de Pádua. Desde então, foram 36 as sessões do Tribunal diocesano, em que foram ouvidas 33 testemunhas provenientes de várias partes da Itália e do exterior.

O trabalho do processo rogatório foi aberto na igreja dos Missionários Combonianos, na Via San Giovanni da Verdara, em Pádua, com a instituição do Tribunal sobre o processo “super martyrio” e o juramento dos componentes. Após um momento de oração, Dom Pietro Brazzale, coordenador geral da rogatória, havia apresentado as motivações e o significado. Seguiu-se o juramento do Bispo Claudio Cipolla e dos membros do Tribunal para a rogatória diocesana: o juiz delegado Mons. Giuseppe Zanon; o Promotor de justiça P. Antonio Oriente; o advogado notário das actas, Mariano Paolin, e o notário adjunto e coordenador geral da rogatória, Mons. Pietro Brazzale. [JE/Combonianos].

Conheça mais sobre a vida de Ezequiel Ramin

Documentário “EZEQUIEL RAMIN - O Mártir da Opção pelos Pobres”


P. Jeremias dos Santos Martins, representante do superior geral dos missionários combonianos.


P. Giovanni Munari, superior provincial dos missionários combonianos na Itália.