Sexta-feira, 6 de Dezembro de 2019
O P. José da Silva Vieira termina seis anos de trabalho como superior provincial dos Combonianos, em Portugal. Antes de terminar o seu serviço no próximo dia 31 de Dezembro, escreveu uma carta aberta aos confrades, intitulada “Obrigado” e publicada no boletim informativo da província portuguesa “Diálogo”, na qual afirma: “Nestes seis anos de serviço missionário como provincial disse e escrevi muitas palavras. Kalamta ketir, dizem os árabes. Mas há uma que tenho que repetir sem parar: OBRIGADO!”.

OBRIGADO!

Nestes seis anos de serviço missionário como provincial disse e escrevi muitas palavras. Kalamta ketir, dizem os árabes. Mas há uma que tenho que repetir sem parar: OBRIGADO!

Primeiro, obrigado ao Deus unitrino, porque esteve sempre comigo de tantas formas e através de tantas encarnações. De facto, «de tudo sou capaz naquele que me dá força» (Filipenses 4, 13). Esta frase de Paulo condensa a minha experiência de vida desde os votos perpétuos em maio de 1986 e ganhou novos matizes neste sexénio.

Depois, obrigado a cada um dos coirmãos pela confiança depositada em mim através da eleição para um cargo que não queria, pelos conselheiros que me deram, pela cooperação imensa nestes seis anos de liderança. Foi um serviço sinodal: caminhámos juntos à procura de respostas para os apelos do Espírito, o ator da missão, à Província.

Aceitei a vossa escolha com muita trepidação e em obediência. E vivi seis anos muito interessantes, de crescimento, de descoberta, em saída. Finalmente, tive o tempo que tantas vezes ansiei para ler, pensar, aprofundar, rezar, ser, estar…

Houve horas difíceis, mas também senti solidariedade e preocupação pelo bem comum.

Peço desculpa por nem sempre ter estado à altura da responsabilidade que me confiastes. Sei que nem sempre tive a disponibilidade afectiva para ser um irmão maior presente e próximo e por isso peço a tua misericórdia.

No momento em que escreve este bilhete de agradecimento não sei o que o Conselho Geral me tem reservado. Os irmãos maiores sabem que o meu coração quer voltar à Etiópia e que não gostaria de ir para Roma.

Toca-me muito a palavra do Senhor a Abraão: «Deixa a tua terra, […] e vai para a terra que Eu te indicar. […] Abençoar-te-ei, engrandecerei o teu nome e serás uma fonte de bênçãos» (Génesis 13, 1-2).

Vai e serás abençoado, serás bênção!

Foi assim na Etiópia, no Sudão do Sul e em Portugal. E vai ser assim, com certeza, onde a Trindade Santa me enviar a participar da sua única missão. Mesmo em contraciclo: quando queria ir para o Sudão, mandaram-me para a Etiópia; quando pensava regressar à Etiópia, propuseram-me o sul do Sudão. Fui e não me dei mal!

Por isso, vou acolher com alegria a «obediência» que o Senhor da missão me dá através do Conselho Geral. Primeiro, contudo, tenho que «recauchutar» a anca esquerda. Espero que o processo seja rápido!

Aproveito para te desejar Boas Festas de um Santo Natal e de um 2020 abençoado. Sabias que a manjedoura mais apropriada para o Deus-Menino nascer é o teu coração? Escancara-lho!

Dou os parabéns ao P. Fernando Domingues por ter sido escolhido e nomeado superior provincial a partir de 1 de janeiro de 2020 e peço que o Espírito do Senhor o assista neste novo serviço-chave.

Durante estes anos passei muitas vezes um a um os nomes dos membros da Província em frente ao Santíssimo para agradecer e abençoar. É nesse espírito que invoco a bênção de São Daniel Comboni: «Sempre peço ao Senhor por vós, pela vossa felicidade, pela vossa harmonia, por vossas almas, por vossos corpos. É a prece mais espontânea e sincera que me pode sair do coração» (Escritos 675).

Reza também por mim.

E, já agora faz-me um favor: não deixes que te roubem a alegria de seres missionário comboniano! Hoje e sempre. Amen.

Abraço-te com carinho,
P. José da Silva Vieira