Natal, Dezembro de 2019
Com votos de um Santo Natal e Feliz Ano Novo, quero unir-me a cada um de vós no desejo de construir um mundo melhor, onde a mensagem que Jesus nos trouxe possa transformar o coração de cada um de nós a fim de cuidarmos da nossa casa comum. (…) Que o Deus Menino, com a Sua Mãe e São José vos ajude nas vossas lutas diárias e sobretudo dê conforto e paz àqueles a que carregam o peso da idade ou da doença.

Santo Natal e Feliz Ano Novo

Estimados irmãos,
Com votos de um Santo Natal e Feliz Ano Novo, quero unir-me a cada um de vós no desejo de construir um mundo melhor, onde a mensagem que Jesus nos trouxe possa transformar o coração de cada um de nós a fim de cuidarmos da nossa casa comum.

Depois de umas longas férias devido a problemas de saúde, pude regressar à República Democrática do Congo no passado dia 20 de novembro.

Esta ano o Postulantado de Kisangani, onde me encontro, conta com 40 jovens que se preparam para a vida missionária e quatro formadores, dois jovens sacerdotes congoleses, um italiano com 82 anos e eu que para lá caminho. A tarefa que nos foi confiada não é fácil pois exige discernimento, serenidade e constância para poder acompanhar estes jovens.

Aqui a situação no Congo continua a degradar-se a nível político, social e económico. Grupos armados continuam a fazer razia no nordeste do País, sobretudo no território de Beni, onde estão cometendo um verdadeiro genocídio, perante o silencio da comunidade internacional, sem que as forças armadas congolesas e os capacetes azuis dêem uma resposta adequada, a ponto de se perguntar se estão a favor da população ou ao lado dos grupos armados para destabilizar essas zonas e apropriar-se das riquezas desses territórios que as pessoas abandonam.

Os produtos de primeira necessidade, em alguns casos aumentaram 100 por cento, devido ao abandono dos campos, por causa da insegurança, e ao estado caótico das estradas. Com o novo presidente ficou a promessa que a escola seria gratuita, mas pelo contrário, as famílias, cada vez mais empobrecidas, se querem que os seus filhos estudem têm que pagar os professores. A nível religioso as seitas continuam a aumentar, havendo neste momento mais de 10.000.

Contudo o povo continua a manifestar a sua fé e acreditar que um dia será melhor, como o povo hebreu depois de uma história atribulada, uma pequena minoria não deixou de acreditar na vinda do Messias.

A liturgia é celebrada com esmero, na preparação da Palavra de Deus e nos cânticos. Contudo há dioceses que estão reduzidas ao Bispo e alguns sacerdotes e catequistas pelo que a evangelização continua a ser um grande desafio.

Quero deixar uma palavra de sincero agradecimento a todos quantos partilharam algo com este povo quando estive de férias, colegas, familiares e amigos e que o Deus Menino, com a Sua Mãe e São José vos ajude nas vossas lutas diárias e sobretudo dê conforto e paz àqueles que carregam o peso da idade ou da doença.

Unidos na oração, um abraço amigo.
P. José Arieira de Carvalho